Estados da região norte saem na frente e criam o Instituto do Choro da Amazônia

Banner Faz Mais 2 Acre - Foto: Divulgação

O Estado do Acre sai na frente dos demais estados na criação do primeiro Instituto do Choro Amazônico (ICA), onde na última terça-feira (7), os superintendes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) da região amazônica se reuniram para discutir os rumos do calendário de encontros que reafirmam a criação do ICA, o primeiro instituto musical desse segmento criado no Brasil.

A proposta surgiu após a apresentação do registro da manifestação cultural do Livro das Formas de Expressão, ocorrido em fevereiro deste ano. O estilo musical do Choro passou a ser um Patrimônio Cultural do Brasil.

Com a criação do ICA, os idealizadores têm como uma das principais metas, com o apoio do IPHAN, preservar as raízes desse ritmo presente na musicalidade brasileira. Buscam também destacar a importância estilo musical e sua influência regional.

“Esse é um feito inédito no país e para a importância cultural, onde ainda destaco para o mundo, pois a partir do Estado do Acre queremos fazer a defesa cultural de um ritmo que está no mundo todo. Nossa missão agora passa a ser também, garantir recursos que auxiliem nessa missão que iniciamos aqui. Tudo começa pelo Acre e queremos levar a relevância dessa defesa para o mundo”, disse o superintendente do Iphan no Acre, Stenio Melo.

Estilo musical criado no Brasil e ganhou o mundo – Foto: Divulgação

O choro é um dos estilos musicais mais originais, principalmente instrumental, com origem no século XIX. Nascido no Rio de Janeiro, o choro ganhou grande expressão nacional, tornando-se um símbolo da cultura brasileira. Diz-se que o “pai do choro” foi Joaquim Callado Jr., um talentoso flautista mulato que formou, na década de 1870, um grupo de músicos chamado “Choro do Callado”.

No Estado do Acre o segmento musical é um dos mais queridos e através de seus participantes, surgiram escolas musicais e grupos profissionais que se apresentam em espaços privados.