Em reunião extraordinária da Comunidade de Polícias das Américas (Ameripol), realizada por videoconferência nesta sexta-feira (12), a Polícia Federal propôs a abertura de uma representação no Equador. O país passa por uma onda de ataques de facções criminosas desde que um líder do tráfico fugiu da prisão.

Banner Obras Acre 300x225

Participaram da reunião representantes da Argentina, Belize, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Haiti, Honduras, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela. As propostas do Brasil e dos demais países serão encaminhadas ao governo do Equador até este sábado (13). 

“Haverá o encaminhamento de propostas, tais como: intercâmbio de informações de inteligência para o enfrentamento do crime organizado, disponibilização de equipamentos de inteligência, apoio na identificação dos presos do sistema penitenciário equatoriano e oferecimento de cursos de descapitalização do crime organizado com a doutrina da Polícia Federal”, diz a PF, em nota.

A onda de ataques que, segundo informações do jornal argentino Clarín, já causou dez mortes, teve início com a fuga de José Adolfo Macías Villamar da prisão.  Fito, como é conhecido, é um dos líderes do grupo Los Choneros e considerado um dos mais perigosos criminosos do Equador.